Marcos Abrão não descarta candidatura a governador em 2018

21 de julho de 2016

Em entrevista a rádio goiana, deputado federal ponderou que ainda é cedo para falar das eleições majoritárias

Em entrevista à Rádio 730 FM, de Goiânia, nesta quinta-feira (21/7), o deputado federal Marcos Abrão (PPS-GO) não descartou a possibilidade de ser candidato a governador de Goiás em 2018. Entretanto, o parlamentar ponderou que ainda é cedo para tratar do assunto.

“Faço política de domingo a domingo, por vocação. Sou um agente público, já administrei diversas empresas e órgãos públicos. Em 2018, tenho que estar preparado, pois [é quando] meu mandato vence. Qualquer desafio que for colocado, se o meu nome for para aglutinar um grupo político e servir a população, aí eu tenho disposição para aceitar”, disse o presidente do PPS goiano em resposta aos jornalistas Rubens Salomão e Cleber Ferreira.

Confira outros temas tratados durante a entrevista:

Eleições 2016

Marcos Abrão declarou que o PPS está presente em 198 municípios em Goiás, e terá candidato a prefeito em cerca de 50. “Estamos movimentando o partido em todo o estado. Se elegermos cinco prefeitos, já ficaremos satisfeitos”, afirmou.  Em Goiânia, o PPS, que apoia a candidatura de Vanderlan Cardoso (PSB) a prefeito, espera eleger de três a quatro vereadores.

Câmara Federal

Sobre a decisão do presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), de descontar o salário dos parlamentares ausentes nas sessões, Abrão declarou-se a favor. “Nós ganhamos muito bem, em relação à média do. Se o trabalhador faltar ao serviço, ele tem seu ponto cortado. Então, isso também precisa ser feito na Câmara”, admitiu.

Governo Temer

Para o deputado goiano, é preciso dar crédito ao presidente da República interino, Michel Temer. “A política econômica está sendo corrigida. O Brasil precisa de ajustes para ter de volta a sua credibilidade, o que permitirá o crescimento econômico e a geração de emprego”, constatou. Marcos Abrão elogiou, ainda, a decisão do Governo Federal de criar um programa nacional com base no Cheque Mais Moradia, aprimorado por ele à frente da Agência Goiana de Habitação (Agehab), entre 2011 e 2013. “Tive a grata satisfação também de saber que o ministro das Cidades, Bruno Araújo, instituiu um grupo de trabalho para debater a política nacional de regularização fundiária e convidou a Agehab para fazer parte”, finalizou.